‘Dysphoric’ – Fugindo da mulheridade como quem foge de uma casa em chamas [tradução livre] – Documentário

Documentário feito pela escritora, cineasta e ativista feminista Vaishnavi Sundar. Lançado ontem online e gratuito.

Tradução livre por Ação Anti Sexista:

‘Dysphoric’ é uma série documental em 4 partes sobre a ascensão da Ideologia da Identidade de Gênero, seus efeitos em mulheres e meninas – especialmente nos países em desenvolvimento.

Sinopse: Neste mundo distópico aonde a misoginia é generalizada e a mulheridade é mercantilizada, ser mulher tem um preço. As corporações capitalizam os corpos de mulheres confundindo a definição do sexo biológico, enquanto lucram com a pseudo ciência não comprovada da teoria queer. O “gaslighting” tem a cumplicidade da mídia, da academia, do mundo político e das leis. Não é nenhuma surpresa que mulheres jovens estejam fugindo da mulheridade como quem foge de uma casa em chamas. Na última década houve um número crescente de garotas buscando transicionar através de procedimentos arriscados e irreversíveis. ‘Dysphoric’ é uma série documental em 4 partes sobre a ascensão da Ideologia da Identidade de Gênero, seus efeitos em mulheres e meninas – especialmente nos países em desenvolvimento. O filme trata da transição de gênero, dos permanentes efeitos colaterais dos hormônios e cirurgias, do lobby das corporações “progressistas” que glorificam milhares de formas estereotipadas de gênero reunidas numa moda, do crescente policiamento de pronomes, do sequestro da linguagem ao chamar mulheres de “menstruadoras”, e dos múltiplos obstáculos que as mulheres encontram quando tentam questionar a misoginia dos novos tempos. O filme dá voz para quem destransiciona, médicos, psiquiatras, sociólogos, feministas, acadêmicos e cidadãos preocupados. ‘Dysphoric’ foi feito em um ano, durante o confinamento da COVID, entre cancelamentos.

Para assistir Playlist aqui: http://bit.ly/dysphoric21 Como não há garantia de que o documentário fique online porque sempre existe a chance de cancelamento, visite http://bit.ly/limesodafilms para ver outras fontes.

“Replicar: Um Estuprador em Teu Caminho”

intervenção em Santiago no Chile

“Un violador en tu camino” é uma intervenção criada e performada pela primeira vez por feministas de Valparaíso no Chile, para denunciar a violência contra as mulheres. A intervenção foi escrita e elaborada pelo coletivo feminista “Lastesis”, que tem como objetivo transformar as teses feministas em performances, e com isso abranger mais pessoas. No dia 25 de novembro, Dia Pela Não Violência Contra a Mulher, 2000 mulheres se reuniram para protestar na capital de Santiago com esta intervenção. Em poucos dias a intervenção foi traduzida em várias línguas, adaptada aos contextos locais, e repetida em diversas partes do mundo, como no México, Alemanha, Colômbia, Argentina, Bélgica, Inglaterra, França, Espanha, El Salvador, Estados Unidos, Paraguai, República Dominicana, e Uruguai. A razão por ter se se espalhado prontamente com tanta intensidade ao redor do mundo, é porque todas nós mulheres nos identificamos com o que retrata a performance, pois mostra a realidade das violências específicas contra nós. “No caminho” de casa, do trabalho ou escola, no transporte coletivo, nas ruas movimentadas ou afastadas, numa balada, e mesmo dentro de casa, nós mulheres somos constantemente ameaçadas com a violência dos homens.

Os protestos feministas pelo fim da violência contra às mulheres, acontecem no Chile no meio das manifestações contra o presidente, que duram mais de um mês. Já foram contabilizadas quase 3 mil pessoas feridas e 23 mortos. “Un violador en tu camino” é um verso criado em cima do slogan policial chileno“Un amigo en tu camino”. Em outubro, feministas denunciaram estupros e violências sexuais cometidas por policiais e militares contra meninas e mulheres que estavam indo nos protestos.

Fechando os “16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência Contra a Mulher”, aqui em porto Alegre a intervenção também vai ser replicada.

No dia 7 de dezembro às 10h haverá o ensaio atrás do Auditório Araújo Viana, e a intervenção acontece no mesmo dia na frente do Largo Expedicionário às 11:30h.

Venha e convide suas amigas, irmãs e companheiras

Segue a letra pra gente tentar decorar até sábado!

O patriarcado é um juiz
Que nos julga por nascer
E nosso castigo
É a violência que não vês

O patriarcado é um juiz
Que nos julga por nascer
E nosso castigo
É a violência que se vê

Feminicídio
Impunidade para os assassinos
Pela agressão
Pelo estupro, violação

E a culpa não era minha
Nem onde estava, nem como vestia
E a culpa não era minha,
Nem onde estava, nem como vestia

E a culpa não era minha
Nem onde estava, nem como vestia
E a culpa não era minha,
Nem onde estava, nem como vestia

O estuprador és tu
O estuprador és tu

É a polícia
Os juízes
O estado
O presidente

O estado opressor é um macho estuprador
O estado opressor é um macho estuprador

O estuprador és tu
O estuprador és tu

Marielle Presente
O assassino dela é
amigo do presidente

O estuprador és tu
O estuprador és tu
O estuprador és tu
O estuprador és tu

——

A letra foi alterada no dia anterior da intervenção, e atualizada aqui dia 08.12